Sites Grátis no Comunidades.net
Poesias Infantis
Poesias Infantis

Poesias Infantis do Livro "Origamiando" do escritor Josué Franco, publicado pela Editora NOOVHA AMERICA.


ORIGAMI

                ANDO

 

Acordei com o barulho

de um gatinho no telhado

fui correndo para saber

o porquê do seu miado.

 

Um gatinho muito esperto

feito de papel e fita

se bem-feito e recortado

todo mundo acredita.

 

Ele é feito em origami

do mais bonito papel

seus olhinhos foram feitos

com as cores lá do céu.

 

Todo dia ele fica

só me olhando e me fitando

e eu aqui com meus recortes

feliz origami

                 ANDO

   

O GALO

 

Do alto do poleiro

canta o rei do galinheiro

sua crista elegante

é vermelha e fascinante.

 

Suas penan reluzentes

mostram quanto ele é valente

no quintal, todo faceiro

bate as asas o trigueiro

e cantando ele diz:

_Sou um galo, sou feliz.

 

 

O SAPO

 

Um dia inteiro

um sapo faceiro

coaxa na boa perto da lagoa.

 

Um peixe lhe diz:

_ Você é um príncipe, um príncipe feliz?

 

O sapo responde:

_ Nem príncipe, nem conde.

 

A noite chega, e o sapo se esconde

olhando pra lua no belo horizonte.

   

A AMARELINHA

 

No seu ninho ela fica

acomodada e bonita

bota ovo o ano inteiro

a rainha do terreiro.

 

Sempre atenta pra guardar

os seus ovos de um gambá;

a galinha é bem bonita

na cabeça um laço de fita;

engraçada e bonitinha

ela é amarelinha.

   

A BORBOLETA

 

O menino achou uma folha de papel

parou, pensou, pegou um lápis e desenhou

o desenho era uma borboleta.

 

Com uma caixa de lápis coloriu

e as cores eram diversas

do verde ao anil.

 

Observou

fez ajustes e redesenhou.

 

Traçou as seis patinhas

recortou outro papel e colocou duas anteninhas.

 

Mais uma vez o menino pensou

muitas coisas o seu pensamento criou

assim sua imaginação alçou

nesse momento, a borboleta do papel

bateu asas e voou.

   

A GIRAFA COTÓ

 

Que belo pescoço

nem fino, nem grosso.

Êta girafa!

Nem alta, nem baixa.

Comprou uma bela roupa

e saiu pela cidade

como uma adolescente à flor da idade.

Passou pelo bar do "Seu Mané"

pediu bolachas pra tomar com café

abriu e fechou a bolsa

mas nada nela havia

enquanto ela chorava, "Seu Mané" sorria.

Dentro e fora da "venda"

uma loucura só

todos queriam ver a girafa cotó.

   

PEIXINHO DOBRADO

 

Lá no fundo do rio

ele nunca passa frio

um peixinho inteligente

que encanta toda gente

salta, pula, brinca e dança

quando encontra uma criança.

 

É um peixinho bem bolado

feito de papel quadrado

colorido e dobrado.

   

A CASA DE PAPEL

 

Uma casa de papel é bem fácil de fazer

vai dobrando, amassando e brincando com prazer.

Não precisa de engenheiro

muito menos de arquiteto,

mas se feita com carinho, não se esqueça de pôr teto.

 

Ela é feita toda inteira

com amor e brincadeira,

e pra sua construção, nem areia, nem caminhão.

O tijolo e a madeira, tudo forte e de primeira

e as portas e janelas, pintadas em aquarela

o batente e o portão em formato coração.

 

A casinha é bem plana

dentro dela nada não

pois com o olhar de uma criança

ficam apenas nossos sonhos e a imaginação.

   

A JOANINHA 

 

Assim que clareou o dia

a joaninha correu para o jardim

com sua roupa de bolinhas

brilhantes como cetim.

Pulando de flor em flor

bebendo todo orvalho

escorregou de uma folha

batendo a cabeça num galho.

Ela meio que tontinha

acabou perdendo uma de suas bolinhas.

 

E agora Dona Joaninha?

Você que possuía uma roupinha

toda enfeitadinha

responda-me bem apressadinha:

 

Ficaste com quantas bolinhas?

   

O BEIJA-FLOR

 

Vejam que belas

que belas flores,

passeiam entre elas

os beija-flores.

 

Contentes elas voam

alegres e felizes,

beijando as flores

em várias matizes.

 

Giram, que giram

em toda clareira

colhendo o néctar

de lindas roseiras.

   

A ZEBRA

 

A zebra coitada

por causa de uma lista

deu queixa de roubo lá na polícia.

 

A lista furtada

caiu em mãos erradas

foi toda recortada e

virou quadradinhos, todos bem

pequenininhos.

A zebra agora pirada

ficou muito irritada

enlouqueceu de vez

pois os quadradinhos recortadinhos

foram parar no tabuleiro de xadrez.

 

Preocupada e com a ajuda da milícia

recuperou sua lista, através de uma notícia.

 

Saiu pela rua exibindo o seu novo estilo

e passou a andar com o corpo virado,

pois do outro lado, somente quadrados.

 

Que zebra esquisita!

Bicho de revista

parece que sua roupa foi desenhada

por um grande estlista.